Este

Abro o Word que me apresenta uma linda folha branca. Justifico o texto, faço de 12 o tamanho da letra, Arial o seu estilo e espaceio as linhas a um ponto e 15.

A partir daí, começa o tal processo corrosivo de traduzir qualquer estímulo exterior feito sentimento em… palavras, pontos, símbolos literários secos e pretos. Uma gravura na potencial memória coletiva.

Como eles gostam de proclamar como sagrada a sua memória coletiva, como eles gostam de se iludir e de nos iludir na sua inocente liberdade e descontrolo santo. Afinal, que memória é essa? A História de conquistas sobre os que partiram, conquistas passadas e orgulhosas no presente. Sim, tudo é orgulho nas suas conquistas, claro. Todos vemos objetivamente através do nosso passado, um passado escrito em pedra e enterrado a sete pás de profundidade. E por isso vivemos no Éden, pois claro. Rodeados de duendes e de amor, de meritocracia e igualdade. Convivemos com a massa popular mais responsável e pacífica deste universo e somos todos livres e bonitos. Livres! Como a nossa memória coletiva e as nossa vontades e desejos capitalistas.

Uma paulada a Reacionários que logo respondem com os seus dogmas de gente grande, de gente sabida, de pessoas escolhidas para testemunhar a verdade absoluta pelo próprio Deus da omnisciência.

E eu desesperado pois o meu arrastar de tinta não desperta corações encarnados, pelas minhas ideias não serem validadas como o ápice da teoria política e filosófica deste milénio genial. Quantos prémios nobéis apaziguaram uma alma revolucionária, que a cada questão ou debate fervilha intensamente, pronta a despedir-se de uma pele cobarde e a encarnar as mãos de um operário do século XIX?

Quantos parágrafos derramados nesta outrora linda folha branca de Word me servirão para dormir esta noite? Quantas linhas espaçadas a um ponto e 15, quantas letras Arial 12? Porque tudo tem de ser emocionante e apaixonadamente vivido por um adolescente tuga mimado rural doméstico limitado ou quaisquer outros adjetivos que vos farão aproximar ou afastar de mim?

Eu sou eu, sê-lo comigo. Despe-te de ti e viaja comigo, juntos nos aconchegaremos no infinito da justiça alheia e injustiças pessoais, nas bondades e maldades deste tempo, nas fronteiras e pontes deste espaço. Prometo devolver-te à terra num instante. Instante que te fará seres minha, feminina criatura sem sexo. Este instante que já passou.

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Preciso, mas não posso

Estranhem O Deus. Seja ele qual for, com as ações, implicações que tenha. Não estamos cá para isso. Não viemos a este mundo para louvar um outro ou alguma coisa que como coisa se apresente. Isso devia

Luz

Repara na luz. A cor desta página, esta página não tem cor. Por vezes é giro viajar por essas objetividades, descobrir muito racionalmente que são tudo comprimentos de onda, finalmente a superioridade

Crítica a René

Quem sou eu para decidir o que escrevo? Quem me fez dono das minhas mãos ou responsável pelas minhas ações? Sou eu invasor deste corpo e dos seus pensamentos? Serão estas dúvidas de facto as minhas dú

©2020 por Braqui. Orgulhosamente criado com Wix.com