Isto

Não! Para já, não continuo assim. Lá vens tu com as tuas leituras pré-concebidas e ideias pré-feitas da escrita que vais ler.

Não entras aqui com essa tua tempestade mental que vais esborratar o preto no branco à tua imagem paleada. Não te peço que tenhas uma revelação de liberdade objetiva, mas que pelo menos sacudas alguns preconceitos no tapete. Não o fazes por mim. Quero dizer, fazes, mas tu também podes tirar vantagens desta minha chamada de atenção: sentir.

Sentir. Fecha os teus olhos ineficientes e tateia o que te divulgo esquecendo a minha existência como teu semelhante imperfeito que escreve humanamente. Faz de ti politeísta e das palavras divindades numa mitologia tua. Concentra-te em ti que agora te trato na minha primeira pessoa.

Sinto as palavras a passarem por mim honestamente, apenas com boas intenções. Cada construção gramatical é a correta e cada palavra a única no dicionário. Leio o que me parece ser um texto sem início nem fim, mas sólido. Leio sem pressas, pausadamente, ouvindo o bater de cada palavra num eco corporal.

Já nem nunca vivi, não viverei amanhã. Toda a minha existência se resume a esta experiência cósmica, pairando eu no breu do espaço não descoberto. Fui o primeiro e o último a aqui chegar, mas tenho companhia pois a solidão não me afeta nesta minha prosa partilhada. O drama da infinitude temporal não me atinge, este é o presente. O drama da infinitude espacial não me atinge, este é o local.

A minha única necessidade, voltei à minha única necessidade. Felicidade é o que prevalece aqui. Apenas escrevo “felicidade”, apenas leio “felicidade”, apenas penso “felicidade”, apenas sinto… sinto apenas.

Diz: “felicidade”.

8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Preciso, mas não posso

Estranhem O Deus. Seja ele qual for, com as ações, implicações que tenha. Não estamos cá para isso. Não viemos a este mundo para louvar um outro ou alguma coisa que como coisa se apresente. Isso devia

Luz

Repara na luz. A cor desta página, esta página não tem cor. Por vezes é giro viajar por essas objetividades, descobrir muito racionalmente que são tudo comprimentos de onda, finalmente a superioridade

Crítica a René

Quem sou eu para decidir o que escrevo? Quem me fez dono das minhas mãos ou responsável pelas minhas ações? Sou eu invasor deste corpo e dos seus pensamentos? Serão estas dúvidas de facto as minhas dú

©2020 por Braqui. Orgulhosamente criado com Wix.com