A maioria quer crescer

Quando outros querem crescer, eu quero o contrário

Pois sempre que aumento por fora

(E estou aqui a falar de experiência empírica)

Diminuo por dentro

Acho também que, sempre que, por fora, diminuo

Por dentro cresço

E se, consequentemente, o interior tocar o exterior

A alma a matéria

Sou

E que pretensões temos, para além de ser?



A maioria quer crescer, eu quero o contrário

Quero colidir em mim próprio

Definir-me, limitar-me, reduzir-me

Que me dobrem e enfiem numa gaveta

Fechem a sete chaves,

Estarei seguro

E inalterável para toda a eternidade

Serei o que sou

Sou o que fui

Pequeno, insignificante

Pois serei absoluto

Absolutamente minúsculo

Todos saberão onde estou, porque estou, quando estou, como estou, o que sou

Não haverá dúvidas, não haverá vida

Nessa gaveta escreverei

Coisas verdadeiras, coisas reais


Mas duma caixa de Pandora

Não saiem coisas belas

E madeira apodrece

Nada de pequeno pequeno é

Ser pequeno é ter grandeza

E sê-la futuramente

Rebentando e criando

Começando e acabando

Primeiro com a gaveta

(Por mais doce que o lar seja, nunca é eterno)

Depois com o seu conteúdo

(Já devias saber, o absoluto é relativo e a relatividade absoluta)

E, com uma reviravolta emocionante,

Findava.



Crescer é o desejo de uma maioria, só de uma maioria.

16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Beija-flor

Escrevo um verso. Caso lhe chame poesia Não o será, nunca Se escrever três versos Em que renuncio E escrevo uns outros a anunciar Torno-os dispersos Perco o pio E fico a ressacar

Florir

Seria irónico descrevê-la distante Mas se é lá que eu a vejo Brilhante, sempre brilhante Brilho do qual só recebo lampejos Não sei porque a ambiciono Porque haveria eu de saber alguma coisa? Por cada

Al-Cácer, que havia de vir

Alcácer Quibir Fecho os olhos Vejo as horas E lá está ele Como que à minha espera Quimera de tão inocente ocorrência De tão farto relato E tão aborrecida e inquietante despreocupação Dessa tão boa alm