Claro

Muito sinceramente

Não sei o que me mantém vivo


Porque bate o meu coração

Que razão tem o meu organismo para funcionar


Nada tenho a que me agarrar

Com sinceridade o digo


Sem pesos, sem levezas

Sem uma vida, porque vivo?


Uma vida que sempre me foi superficial

Uma superficialidade que não afeta a sinceridade que neste momento me afeta


Quando mesmo o prazer não nos traz prazer

O que resta de nós?


A verdade

Em verdade o digo


Com verdade declaro

Que o viver sempre me foi estranho


Vejo-vos a viver e penso:

Que estranho é viver

Que estranho é pensar

A estranheza de passar de dísticos para estrofe irregular

Sem o explicar

A obsessão com o modo verdadeiro

De tratar verdades

Acho que vos quero dizer

A vocês

Que isto tudo é muito estranho

E que me sinto o mais estranho

Porque em mim me centro e quero que em mim se centrem

Claro que, racionalmente, sei que isto tem biologia

Psicologia, sociologia e materialismo

Mas não parece, por momentos, que os versos podem ultrapassar tudo isso?

Esqueçam o pensar

Esqueçam o estudar e julgar e o concluir

Esqueçam as palavras

Esqueçam a vida e,

Por fim, esqueçam o esquecer

Ouçam boa música

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Movimento da História

O movimento da História passa por mim Atinge-me com as suas preocupações e ações concretas Materiais, e deixa ideias esborratadas Arranca-me pensamentos e atos Ao longe, no seu vulto apressado Identif

Luís

Dizem que o amor não tem preço Eu digo que cada lembrança tua pesa-me no fôlego E custa-me ao respirar Dizem que é cego Bem, preferia que fosse Que antes nada visse a ver e não te ver Outros julgam-

O vento sopra, lá fora

O vento sopra, Lá fora Viver é simples E o vento sopra, Lá fora Eu inspiro O vento sopra Eu expiro O vento sopra, Lá fora Cá dentro, O meu coração bate E lá fora, O vento sopra Há de haver futuro

©2020 por Braqui. Orgulhosamente criado com Wix.com