Copo de água

Foi-me roubado esse mundo

Em que um copo de água derrubado numa mesa

Não passa de um copo de água

Derrubado numa mesa

Sem constatações


Apenas um copo de água

Horizontal, e então?

Não deixa de ser

Também tem o direito de ser derrubado

Não tem é direito à reflexão

Que culpa tem que o personalizemos?

Que os homens sejam reféns do abstrato

Que romanceemos tudo à nossa volta

Por uma surpresa infantil cada vez que nos achamos vivos

E a vida não é mais que uma das coisas que hão de acontecer

E os acontecimentos não existem em infinito

Porque o infinito é só, nisto de existir

Nisto de existir, todos os outros desistiram

Então não é verdade que a nossa periferia é a periferia?

Os outros que nunca fomos nós

E por isso aqui nos encontramos

Tu, eu, este verso

Que é penúltimo

23 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Florir

Seria irónico descrevê-la distante Mas se é lá que eu a vejo Brilhante, sempre brilhante Brilho do qual só recebo lampejos Não sei porque a ambiciono Porque haveria eu de saber alguma coisa? Por cada

Al-Cácer, que havia de vir

Alcácer Quibir Fecho os olhos Vejo as horas E lá está ele Como que à minha espera Quimera de tão inocente ocorrência De tão farto relato E tão aborrecida e inquietante despreocupação Dessa tão boa alm

Razões

Eu sentir que é mentira Não faz disso uma mentira Faz de mim estúpido O cheiro do desespero tinge Até ao mais belo dos tecidos Até que, conspurcado, seja descartado E eu evitado, por outras razões

©2020 por Braqui. Orgulhosamente criado com Wix.com