Copo de água

Foi-me roubado esse mundo

Em que um copo de água derrubado numa mesa

Não passa de um copo de água

Derrubado numa mesa

Sem constatações


Apenas um copo de água

Horizontal, e então?

Não deixa de ser

Também tem o direito de ser derrubado

Não tem é direito à reflexão

Que culpa tem que o personalizemos?

Que os homens sejam reféns do abstrato

Que romanceemos tudo à nossa volta

Por uma surpresa infantil cada vez que nos achamos vivos

E a vida não é mais que uma das coisas que hão de acontecer

E os acontecimentos não existem em infinito

Porque o infinito é só, nisto de existir

Nisto de existir, todos os outros desistiram

Então não é verdade que a nossa periferia é a periferia?

Os outros que nunca fomos nós

E por isso aqui nos encontramos

Tu, eu, este verso

Que é penúltimo

22 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Movimento da História

O movimento da História passa por mim Atinge-me com as suas preocupações e ações concretas Materiais, e deixa ideias esborratadas Arranca-me pensamentos e atos Ao longe, no seu vulto apressado Identif

Luís

Dizem que o amor não tem preço Eu digo que cada lembrança tua pesa-me no fôlego E custa-me ao respirar Dizem que é cego Bem, preferia que fosse Que antes nada visse a ver e não te ver Outros julgam-

Claro

Muito sinceramente Não sei o que me mantém vivo Porque bate o meu coração Que razão tem o meu organismo para funcionar Nada tenho a que me agarrar Com sinceridade o digo Sem pesos, sem levezas Sem uma

©2020 por Braqui. Orgulhosamente criado com Wix.com