Desilusão e...

Desiludido pelas palavras que ajudei a ecoar

Profundidade que ignorei ser superficial

E que me falhou

Falhou, como tudo falha


Havemos de sempre querer sem saber

E querer saber, mas não saber o que se quer

E por isso sofremos

E com isso vivemos, a sofrer


E vós não quereis nada com isso

Pensam que ao encobrir o que sentem não sentem o que encobrem

E talvez tenham razão

E talvez vos incomode sem necessidade


Mas não me incomodo com isso

Tenho eu razão para o fazer?

Deixem me a atenção

E hei de vos deixar em paz


A paz que todos desejamos

O derradeiro sim

Que nos espera

Na surpreendente hora de nossa morte

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Florir

Seria irónico descrevê-la distante Mas se é lá que eu a vejo Brilhante, sempre brilhante Brilho do qual só recebo lampejos Não sei porque a ambiciono Porque haveria eu de saber alguma coisa? Por cada

Al-Cácer, que havia de vir

Alcácer Quibir Fecho os olhos Vejo as horas E lá está ele Como que à minha espera Quimera de tão inocente ocorrência De tão farto relato E tão aborrecida e inquietante despreocupação Dessa tão boa alm

Razões

Eu sentir que é mentira Não faz disso uma mentira Faz de mim estúpido O cheiro do desespero tinge Até ao mais belo dos tecidos Até que, conspurcado, seja descartado E eu evitado, por outras razões

©2020 por Braqui. Orgulhosamente criado com Wix.com