Eco linguístico

Dor não é palavra suficiente para dor

Da mesma maneira que o verso que escrevi

Não descreve o que sinto


Palavras, que reflito por palavras

Palavras já inventadas, no passado que me antecede

Apenas as uso porque já alguém as usou

Alguém que não as usou da mesma forma que as uso


Usou-as de formas que as tornam suas

Suas, e não minhas

O que ouves não é o que digo

Mas o eco de quem o disse antes de mim

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Florir

Seria irónico descrevê-la distante Mas se é lá que eu a vejo Brilhante, sempre brilhante Brilho do qual só recebo lampejos Não sei porque a ambiciono Porque haveria eu de saber alguma coisa? Por cada

Al-Cácer, que havia de vir

Alcácer Quibir Fecho os olhos Vejo as horas E lá está ele Como que à minha espera Quimera de tão inocente ocorrência De tão farto relato E tão aborrecida e inquietante despreocupação Dessa tão boa alm

Razões

Eu sentir que é mentira Não faz disso uma mentira Faz de mim estúpido O cheiro do desespero tinge Até ao mais belo dos tecidos Até que, conspurcado, seja descartado E eu evitado, por outras razões

©2020 por Braqui. Orgulhosamente criado com Wix.com