Folha de papel

Segura uma folha de papel e contempla-a.

Momentos separam essa folha de papel que te pedi para segurares da possibilidade desta sofrer um fenómeno que a pode alterar irremediavelmente.

Está nas tuas mãos corromper a sua branca virgindade, tanto quanto essa folha, branca como está, está nas tuas mãos.

Essa folha é um mundo, tu és outro e ambos se podem destruir. É arrebatador perceber o quanto de nós cada coisa pode ser, e ainda que nós somos compostos por coisas. Mas o cair nessa realidade estéril de pouco nos serve, porque o que, na realidade que escolhemos, dita o nosso peso é a nossa cabeça e não uma gravidade que nos transcende, sendo que, para os que acham que é uma gravidade que nos transcende, é. Por esse detalhe pode ser e não ser ao mesmo tempo. É essa a beleza do relativismo.

Sim, tu sabes que o destino dessa folha está nas tuas mãos, mas que mãos são essas? Serão mesmo tuas? O que as move? Em que mãos estás tu? Por essa ordem de ideias concluo que tudo possui e tudo é possuído, sendo a posse um conceito vazio.

Sim, podes fazer de tudo a essa folha, mas isso de nada te vale se já souberes o que lhe vais fazer desde o início. Aquele início. O início que nunca houve e que é um marco tão marcante no nosso calendário. Toda a gente sabe quando foi, ninguém te o sabe dizer.

E assim não sentes o que te disse que sentias, sentes o que sempre sentiste, em relação a uma folha de papel branca.

7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Preciso, mas não posso

Estranhem O Deus. Seja ele qual for, com as ações, implicações que tenha. Não estamos cá para isso. Não viemos a este mundo para louvar um outro ou alguma coisa que como coisa se apresente. Isso devia

Luz

Repara na luz. A cor desta página, esta página não tem cor. Por vezes é giro viajar por essas objetividades, descobrir muito racionalmente que são tudo comprimentos de onda, finalmente a superioridade

Crítica a René

Quem sou eu para decidir o que escrevo? Quem me fez dono das minhas mãos ou responsável pelas minhas ações? Sou eu invasor deste corpo e dos seus pensamentos? Serão estas dúvidas de facto as minhas dú

©2020 por Braqui. Orgulhosamente criado com Wix.com