Mais um dia de inverno

Mais um dia frio, mais um dia chuvoso e mais um dia de inverno.

Mas a chuva cai sobre uma paisagem verde, com laranjas a despontar, é ela que torna o verde vivo e as laranjas sumarentas.

Apesar de todo o bucolismo, nem a chuva, nem o verde, nem o laranja, a paisagem não escapa à intrusão de cabos humanos, formando um labirinto elétrico um tanto ou quanto aborrecido.

Por de baixo de todo o aparato, casas. É claro, a quem pertenceriam as laranjas senão àqueles que as comem e a quem pertenceriam os fios de eletricidade senão àqueles que a consomem. Casas, de vários feitios e de épocas várias, lembrando ora as laranjas, ora os cabos. Ora, as laranjas e a chuva lembram-lhes que o inverno chegou, um dia de cada vez, gota a gota, laranja a laranja, e traz o verde como paisagem.

13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Preciso, mas não posso

Estranhem O Deus. Seja ele qual for, com as ações, implicações que tenha. Não estamos cá para isso. Não viemos a este mundo para louvar um outro ou alguma coisa que como coisa se apresente. Isso devia

Luz

Repara na luz. A cor desta página, esta página não tem cor. Por vezes é giro viajar por essas objetividades, descobrir muito racionalmente que são tudo comprimentos de onda, finalmente a superioridade

Crítica a René

Quem sou eu para decidir o que escrevo? Quem me fez dono das minhas mãos ou responsável pelas minhas ações? Sou eu invasor deste corpo e dos seus pensamentos? Serão estas dúvidas de facto as minhas dú