Monstro

Seu monstro! Odeio-te Quem é que faz isto a uma pessoa?! Eu estava bem, estava sossegado E tu Interrompes-me, como se nada fosse Interrompes-me a vida, bloqueias-me o pensamento, interceptas-me o sentimento Fazes-me sofrer... Penso eu que sadicamente Deixas-me mudo, inapto, impotente e inerte Já não durmo, não como, só penso: Nos "como seria bom", nos "hipoteticamente" Nem escrever Sabes que me destroçaste enquanto homem quando já nem escrever consigo Ataste-me as mãos, prendeste-me o olhar e roubaste-me o coração sem sequer ter a decência do devolver Seu monstro! E eu amo-te

19 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Beija-flor

Escrevo um verso. Caso lhe chame poesia Não o será, nunca Se escrever três versos Em que renuncio E escrevo uns outros a anunciar Torno-os dispersos Perco o pio E fico a ressacar

Florir

Seria irónico descrevê-la distante Mas se é lá que eu a vejo Brilhante, sempre brilhante Brilho do qual só recebo lampejos Não sei porque a ambiciono Porque haveria eu de saber alguma coisa? Por cada

Al-Cácer, que havia de vir

Alcácer Quibir Fecho os olhos Vejo as horas E lá está ele Como que à minha espera Quimera de tão inocente ocorrência De tão farto relato E tão aborrecida e inquietante despreocupação Dessa tão boa alm