Nossa

O meu sangue

Dou o meu sangue

Todo o meu sangue que é vermelho

É o vermelho da Revolução


O meu coração

Dou o meu coração

O meu coração de humano

E é humana a Causa


A minha garganta

Dou a minha garganta

A minha garganta rouca

Desse grito retido


A minha alma

Dou o meu corpo

Irreverente

Por ti


Não é minha a angústia

Não é meu o sofrimento

Não é minha a dor

É minha a opressão

Que nunca pedi

E vos peço

Que não nos façam viver neste sistema


É nossa a escolha

Vo-la dou

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Florir

Seria irónico descrevê-la distante Mas se é lá que eu a vejo Brilhante, sempre brilhante Brilho do qual só recebo lampejos Não sei porque a ambiciono Porque haveria eu de saber alguma coisa? Por cada

Al-Cácer, que havia de vir

Alcácer Quibir Fecho os olhos Vejo as horas E lá está ele Como que à minha espera Quimera de tão inocente ocorrência De tão farto relato E tão aborrecida e inquietante despreocupação Dessa tão boa alm

Razões

Eu sentir que é mentira Não faz disso uma mentira Faz de mim estúpido O cheiro do desespero tinge Até ao mais belo dos tecidos Até que, conspurcado, seja descartado E eu evitado, por outras razões

©2020 por Braqui. Orgulhosamente criado com Wix.com