Palavrear

Por mais que escreva, O que escrevo são palavras Nunca deixaram, nunca deixarão de ser palavras E por mais que se façam correspondências no dicionário e ligações no vosso cérebro Apesar de um dia estas mesmas palavras terem estado em canto nos Lusíadas e em génio em Pessoa Em mim voltam a ser o que nunca deixaram e nunca deixarão de ser: Palavras Por vezes pergunto-me, No meio de toda a agitação pseudo-boémia ou boémia em verdade Se sou o único que as vê As letras Como traços coordenados A aproximarem-se industrialmente Naquilo a que um dia chamaram de palavra Naquilo a que um dia aprendi que era uma frase Naquilo a que agora chamo de poema Porque, se estamos para inventar, não quero ser excluído

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Beija-flor

Escrevo um verso. Caso lhe chame poesia Não o será, nunca Se escrever três versos Em que renuncio E escrevo uns outros a anunciar Torno-os dispersos Perco o pio E fico a ressacar

Florir

Seria irónico descrevê-la distante Mas se é lá que eu a vejo Brilhante, sempre brilhante Brilho do qual só recebo lampejos Não sei porque a ambiciono Porque haveria eu de saber alguma coisa? Por cada

Al-Cácer, que havia de vir

Alcácer Quibir Fecho os olhos Vejo as horas E lá está ele Como que à minha espera Quimera de tão inocente ocorrência De tão farto relato E tão aborrecida e inquietante despreocupação Dessa tão boa alm