Palavrear

Por mais que escreva, O que escrevo são palavras Nunca deixaram, nunca deixarão de ser palavras E por mais que se façam correspondências no dicionário e ligações no vosso cérebro Apesar de um dia estas mesmas palavras terem estado em canto nos Lusíadas e em génio em Pessoa Em mim voltam a ser o que nunca deixaram e nunca deixarão de ser: Palavras Por vezes pergunto-me, No meio de toda a agitação pseudo-boémia ou boémia em verdade Se sou o único que as vê As letras Como traços coordenados A aproximarem-se industrialmente Naquilo a que um dia chamaram de palavra Naquilo a que um dia aprendi que era uma frase Naquilo a que agora chamo de poema Porque, se estamos para inventar, não quero ser excluído

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Razões

Eu sentir que é mentira Não faz disso uma mentira Faz de mim estúpido O cheiro do desespero tinge Até ao mais belo dos tecidos Até que, conspurcado, seja descartado E eu evitado, por outras razões

O ser e o ser

E somos tudo menos o que somos Falamos, oh se falamos Falamos, mas deixa-me rir O que dizemos não é dito por nós Como eu gostava de conhecer Nem que seja uma só coisa Pessoa Uma boa pessoa Separar o q

Movimento da História

O movimento da História passa por mim Atinge-me com as suas preocupações e ações concretas Materiais, e deixa ideias esborratadas Arranca-me pensamentos e atos Ao longe, no seu vulto apressado Identif

©2020 por Braqui. Orgulhosamente criado com Wix.com