Pelos labiais

Pensas que ao tomar-te tempo me responsabilizo por ti, mas não Não é o que acontece Não, não, é a tua decisão, tudo o que vês decidiste por ver, tudo o que sentes sentes por ti mesmo, sem bodes alheios a atrapalhar a tua unidade metafísica Não há aqui perturbadores dessa tua solidão substancial Podes sossegar podes finalmente dormir na paz da tua integridade e da minha distância É falso que respiro como tu é falso que sinto como tu não passam de caluniadores os que me afirmam como ser igualmente pensante Fui feito por e para ti e para os momentos que me ouves, ouves o que é suposto eu dizer, previsível ou imprevisivelmente, é sempre o que diria, o que disse. E tu continuas tu esse teu eu sublime de individualidade de distinção desconhecida de brilhantismo incompreendido que todos os restantes querem em nós Nos nossos corpos que à tua volta dançam, nas nossas almas que pela tua respiram, no mundo que acabará quando acabares porque começou quando começaste, apesar de fingires que não para agradar a historiadores que aparentam acreditar em histórias de maus de bigode Bigode? Como se fosse possível ter bigode.

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Beija-flor

Escrevo um verso. Caso lhe chame poesia Não o será, nunca Se escrever três versos Em que renuncio E escrevo uns outros a anunciar Torno-os dispersos Perco o pio E fico a ressacar

Florir

Seria irónico descrevê-la distante Mas se é lá que eu a vejo Brilhante, sempre brilhante Brilho do qual só recebo lampejos Não sei porque a ambiciono Porque haveria eu de saber alguma coisa? Por cada

Al-Cácer, que havia de vir

Alcácer Quibir Fecho os olhos Vejo as horas E lá está ele Como que à minha espera Quimera de tão inocente ocorrência De tão farto relato E tão aborrecida e inquietante despreocupação Dessa tão boa alm