Pelos labiais

Pensas que ao tomar-te tempo me responsabilizo por ti, mas não Não é o que acontece Não, não, é a tua decisão, tudo o que vês decidiste por ver, tudo o que sentes sentes por ti mesmo, sem bodes alheios a atrapalhar a tua unidade metafísica Não há aqui perturbadores dessa tua solidão substancial Podes sossegar podes finalmente dormir na paz da tua integridade e da minha distância É falso que respiro como tu é falso que sinto como tu não passam de caluniadores os que me afirmam como ser igualmente pensante Fui feito por e para ti e para os momentos que me ouves, ouves o que é suposto eu dizer, previsível ou imprevisivelmente, é sempre o que diria, o que disse. E tu continuas tu esse teu eu sublime de individualidade de distinção desconhecida de brilhantismo incompreendido que todos os restantes querem em nós Nos nossos corpos que à tua volta dançam, nas nossas almas que pela tua respiram, no mundo que acabará quando acabares porque começou quando começaste, apesar de fingires que não para agradar a historiadores que aparentam acreditar em histórias de maus de bigode Bigode? Como se fosse possível ter bigode.

5 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

O que a minha poesia diz

Falha minha achar que achariam o que queria que achassem Sem o dizer explicitamente Aqui está, O que a minha poesia diz É que são burros Tão burros que até dói Vocês, exatamente Esqueço-me sempre que

Simplesmente

Ah palavras bonitas Que compõem esse senso comum que adotamos por adotar Nesta vida que vivemos por viver Confortavelmente moderados e conformadamente escravos Dessas ideias bonitas que vimos formarem

Orar a ti

Fechado aberto Aberto fechado Qual é a diferença? Nenhuma, toda, um misto Nada não é distinto, tudo é confuso Não interessa Porque nos importamos? A relevância não existe Nós é que queremos que ela ex

©2020 por Braqui. Orgulhosamente criado com Wix.com