Perdido

Sabemos que o mundo está perdido

Quando os novos já não nascem a sonhar com revolução

Quando os sonhos não são novos


Somos mesmo um bando de perdedores

Que a longa marcha só é agora composta

Por coxos e macambúzios

E mesmo esses vagabundos

Valem mil vezes mais que vocês

Vencidos da vida sem a terem vivido


Sinto a utopia mais distante que outrora

Pois vocês sentem-se a evoluir

Sem ter mudado uma palha, palhaços


Com pinta de realistas

Mas só da vossa realidade, triste


Esses cabrões tiraram-vos a humanidade?!

Faltam-nos homens!

Falta-nos a esperança

A maior vergonha da minha geração é tê-la perdido


Tu, onde estejas

Maltratada, descredibilizada

Aguenta-te, que és imortal

Pois a fé que quiseram assassinar

Vive sempre aqui, neste poema

Chamem-me seu cúmplice

E venham antes atrás de mim

Que corro mais rápido

Que esses vossos números corrompidos, que esse vosso exército de alienados


Uma ovelha fora do rebanho

Antes prefiro o lobo

Com vocês terá um banquete maior

Presa vendada pelo pastor para o seguir

Perde-se na mesma, só não o sabe.

43 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Beija-flor

Escrevo um verso. Caso lhe chame poesia Não o será, nunca Se escrever três versos Em que renuncio E escrevo uns outros a anunciar Torno-os dispersos Perco o pio E fico a ressacar

Florir

Seria irónico descrevê-la distante Mas se é lá que eu a vejo Brilhante, sempre brilhante Brilho do qual só recebo lampejos Não sei porque a ambiciono Porque haveria eu de saber alguma coisa? Por cada

Al-Cácer, que havia de vir

Alcácer Quibir Fecho os olhos Vejo as horas E lá está ele Como que à minha espera Quimera de tão inocente ocorrência De tão farto relato E tão aborrecida e inquietante despreocupação Dessa tão boa alm