Propósito

Para quê ouvir

Se são tudo mentiras

Se são tudo mentiras

Para que as falo?


Ver, cheirar, sentir...

Viver é falsidade e falsiar

Liberdade: procurar o equilíbrio

Que nunca encontraremos


Os estúpidos tomam-na por garantida

Eles próprios são feitos de garantias,

Promessas, por isso é que são estúpidos

Que estupidez: verdade, respeito, justiça, liberdade

Conceitos podres de tanto usados, enganados, abusados, chupados, violados


Tento evitá-los

Denegrindo-os em mim

E denegrindo-me,

Pelo menos pra vocês,

Estúpidos.


Engraçado

Como é sempre podridão no topo,

Agora,

O topo é podrido?

Aparenta ser?

Os topistas são podridos?

Aparentam ser?

Gera podridão?

Aparenta gerar?

É difícil.

Por isso fico pela base

Como se fosse essa a razão

Comer, é essa a razão?

Pro cume?


Mesmo engraçado é

Que no final de contas

O que guia o ser humano

Que se fodam os românticos que não é o coração

Que se fodam os céticos que não é o cérebro

Não se fodam os que fodem que não é a pila

Mas sim um órgão humilde e desapoiado,

De nome estômago

Mas sobre esse não há poemas,

Sobre esse não se canta que não há rima

Demasiado verdadeiro pra ser verdade

Que toda a hora comem

Comem as horas, se for preciso

Comem o tempo, o espaço

Os famosos vampiros:

Comem tudo e não deixam nada

Sempre foi sobre comida

Não me queiram enganar

Por mais bugigangas que lhe ponham

Por mais histórias que nos contem

Pensar que todas as balelas

Começam e acabam

Por um pão.

Que o próprio Deus diz pra terem paciência

Que isto assim não pode ser.


Não vale a pena abrir a boca

Fora da hora de refeição

Só loucos, só nós

Só eu, agora, mais uma vez.

23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Movimento da História

O movimento da História passa por mim Atinge-me com as suas preocupações e ações concretas Materiais, e deixa ideias esborratadas Arranca-me pensamentos e atos Ao longe, no seu vulto apressado Identif

Luís

Dizem que o amor não tem preço Eu digo que cada lembrança tua pesa-me no fôlego E custa-me ao respirar Dizem que é cego Bem, preferia que fosse Que antes nada visse a ver e não te ver Outros julgam-

Claro

Muito sinceramente Não sei o que me mantém vivo Porque bate o meu coração Que razão tem o meu organismo para funcionar Nada tenho a que me agarrar Com sinceridade o digo Sem pesos, sem levezas Sem uma

©2020 por Braqui. Orgulhosamente criado com Wix.com