Querida filha

Querida filha, Cada vez me convenço mais que a vida é a poesia da poesia E que a própria poesia não serve o significado Para significado serve a vida, mas não o cumpre Podes pensar a poesia como uma decoração Exato, um segmento desconectado do seguimento que lhe possas dar Não o dês O pior que podes fazer na vida é avançá-la Como se fosse um caminho ou algo parecido Como esses vagabundos gostam de vagabundear Não é: vida é vida, apenas e somente presente E é tanto tua quanto tudo o resto não é teu Não é teu esse corpo, não são tuas essas palavras, não é tua a tua fama Mas é tua a vida Não a adores, não é um Deus Não a desprezes, não perdoa ateus Cinge-te a não pensar nela E estarás Tão estarás quanto eu não o estou Engraçado como do texto as palavras não custam a sair Contrasta em muito com os dedos, com a garganta Mas isso são contas de outro rosário E estes rosários são também contas de outros rosários Porque, lembras-te, tudo o resto não nos pertence Quem me dera que pertencesse e que eu pertencesse Mas não possuo nem pertenço Não há parte nem todo Só tu, filha, só tu Aproveita

10 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Pelos labiais

Pensas que ao tomar-te tempo me responsabilizo por ti, mas não Não é o que acontece Não, não, é a tua decisão, tudo o que vês decidiste por ver, tudo o que sentes sentes por ti mesmo, sem bodes alh

O que a minha poesia diz

Falha minha achar que achariam o que queria que achassem Sem o dizer explicitamente Aqui está, O que a minha poesia diz É que são burros Tão burros que até dói Vocês, exatamente Esqueço-me sempre que

Simplesmente

Ah palavras bonitas Que compõem esse senso comum que adotamos por adotar Nesta vida que vivemos por viver Confortavelmente moderados e conformadamente escravos Dessas ideias bonitas que vimos formarem

©2020 por Braqui. Orgulhosamente criado com Wix.com