Supostas dívidas

Se sentado ignoro o movimento do mundo

Eles que se movendo ignorem o meu repouso

Não lhes devo a minha felicidade


Se acham que esta cadeira me torna hipócrita

Eles que preferem opressão a hipocrisia

Sejam burros, e não lhes devo a minha coerência


Se me tentam montar, se me tentam sequer tocar o ser

Com o pretexto de retorno à sua realidade

Não a escolhi, não o escolherei, que escolham eles outro

Não lhes devo os meus sonhos


Continuem eles a esculpir o seu modelo de oponente íntegro

A integridade não me vão tirar

E tiro-vos entretanto a lógica

E aí vos fico a devê-la, vampiros retóricos

9 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Querida filha

Querida filha, Cada vez me convenço mais que a vida é a poesia da poesia E que a própria poesia não serve o significado Para significado serve a vida, mas não o cumpre Podes pensar a poesia como uma

Valorizadores inválidos

Ó gente linda deste mundo Queridos alvos de condescendência Se ao menos vocês soubessem Que pensar é muito menos virtude que sentir E sentir nem virtude é Se ao menos pudessem ver Que o que pisam não

Monstro

Seu monstro! Odeio-te Quem é que faz isto a uma pessoa?! Eu estava bem, estava sossegado E tu Interrompes-me, como se nada fosse Interrompes-me a vida, bloqueias-me o pensamento, interceptas-me o sent

©2020 por Braqui. Orgulhosamente criado com Wix.com