Universos e pontos

Um universo

A afastar-se de um ponto

Uma alma

Com origem no equilíbrio

À procura deste mesmo

Uma sociedade

Extremista na sua moderação

Mas no fim converge

Para a utopia

É na fronteira

Que gosto de caminhar

É além desta

Que terreno a desbravar

Temos sempre a perfeita noção

Que tem que haver sempre mais

Isto não é o máximo

É a busca que nos faz fortes

E, no fim

Depois do “tudo” descoberto

Feito o infinito finito

Talvez voltemos

Àquele ponto

Onde nos sentamos a ver

Outras gerações florescer

E partir à descoberta

Nós, vencidos da vida

Sentados no ponto

que demarcámos como certo

Pois é nosso

E foi que descansámos

Repousaremos sobre a esperança

De que não nos incomodem

Com desvarios de quem

Ainda não fez do seu mundo seu

E é um ponto

A afastar-se de um universo.

39 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Beija-flor

Escrevo um verso. Caso lhe chame poesia Não o será, nunca Se escrever três versos Em que renuncio E escrevo uns outros a anunciar Torno-os dispersos Perco o pio E fico a ressacar

Florir

Seria irónico descrevê-la distante Mas se é lá que eu a vejo Brilhante, sempre brilhante Brilho do qual só recebo lampejos Não sei porque a ambiciono Porque haveria eu de saber alguma coisa? Por cada

Al-Cácer, que havia de vir

Alcácer Quibir Fecho os olhos Vejo as horas E lá está ele Como que à minha espera Quimera de tão inocente ocorrência De tão farto relato E tão aborrecida e inquietante despreocupação Dessa tão boa alm