Valorizadores inválidos

Ó gente linda deste mundo Queridos alvos de condescendência Se ao menos vocês soubessem Que pensar é muito menos virtude que sentir E sentir nem virtude é Se ao menos pudessem ver Que o que pisam não é chão mas terra O que calcam não vos submete mas sustenta Porque não reconhecem? Que a vida é especial Bela como nenhum desses bajuladores soube exprimir Não é a beleza que nos faz belos É a rugosidade, é a incoerência, é a teimosia É toda uma pintura excessiva Que, apreciada por nós tão pequenos, Nunca nos poderá exceder É a determinação involuntária Uma limitação de final triste Encarceramento revoltoso Um paradoxo incómodo És tu como ninguém soube ser E se ao menos soubesses tudo isto... Mas duvido que alguma vez saberás O quanto vale uma vida.

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Beija-flor

Escrevo um verso. Caso lhe chame poesia Não o será, nunca Se escrever três versos Em que renuncio E escrevo uns outros a anunciar Torno-os dispersos Perco o pio E fico a ressacar

Florir

Seria irónico descrevê-la distante Mas se é lá que eu a vejo Brilhante, sempre brilhante Brilho do qual só recebo lampejos Não sei porque a ambiciono Porque haveria eu de saber alguma coisa? Por cada

Al-Cácer, que havia de vir

Alcácer Quibir Fecho os olhos Vejo as horas E lá está ele Como que à minha espera Quimera de tão inocente ocorrência De tão farto relato E tão aborrecida e inquietante despreocupação Dessa tão boa alm