Volta

Estás à espera de refúgio?

Não, não

Não escapas

Tu vives, sim, sim

E um dia hás de morrer, mortal

Numa morte que nunca te há-de ressuscitar

E, se queres que te diga, ainda bem

Que este mundo tem paciência curta


Por falar em mundo

Olha à tua volta,

Pois é, pois é,

Existes

E tu sabes bem que existir é para fracos

Tens problemas, de certeza que tens

Mais do que tu querias,

Mais do que é suposto,

Mais que os outros

Mas isso seria o menos

Se não fosses um ser tão mesquinho

Tão medíocre

Eu diria até o pior dos seres

Sim, tu

Tu mesmo

Não é o leitor

És tu!

Tu, eu

Eu, tu

Nós


E se por acaso este poema não te serviu de abre-olhos

Servirá agora que acaba.

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Razões

Eu sentir que é mentira Não faz disso uma mentira Faz de mim estúpido O cheiro do desespero tinge Até ao mais belo dos tecidos Até que, conspurcado, seja descartado E eu evitado, por outras razões

O ser e o ser

E somos tudo menos o que somos Falamos, oh se falamos Falamos, mas deixa-me rir O que dizemos não é dito por nós Como eu gostava de conhecer Nem que seja uma só coisa Pessoa Uma boa pessoa Separar o q

Movimento da História

O movimento da História passa por mim Atinge-me com as suas preocupações e ações concretas Materiais, e deixa ideias esborratadas Arranca-me pensamentos e atos Ao longe, no seu vulto apressado Identif

©2020 por Braqui. Orgulhosamente criado com Wix.com