Volta

Estás à espera de refúgio?

Não, não

Não escapas

Tu vives, sim, sim

E um dia hás de morrer, mortal

Numa morte que nunca te há-de ressuscitar

E, se queres que te diga, ainda bem

Que este mundo tem paciência curta


Por falar em mundo

Olha à tua volta,

Pois é, pois é,

Existes

E tu sabes bem que existir é para fracos

Tens problemas, de certeza que tens

Mais do que tu querias,

Mais do que é suposto,

Mais que os outros

Mas isso seria o menos

Se não fosses um ser tão mesquinho

Tão medíocre

Eu diria até o pior dos seres

Sim, tu

Tu mesmo

Não é o leitor

És tu!

Tu, eu

Eu, tu

Nós


E se por acaso este poema não te serviu de abre-olhos

Servirá agora que acaba.

5 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Pelos labiais

Pensas que ao tomar-te tempo me responsabilizo por ti, mas não Não é o que acontece Não, não, é a tua decisão, tudo o que vês decidiste por ver, tudo o que sentes sentes por ti mesmo, sem bodes alh

O que a minha poesia diz

Falha minha achar que achariam o que queria que achassem Sem o dizer explicitamente Aqui está, O que a minha poesia diz É que são burros Tão burros que até dói Vocês, exatamente Esqueço-me sempre que

Simplesmente

Ah palavras bonitas Que compõem esse senso comum que adotamos por adotar Nesta vida que vivemos por viver Confortavelmente moderados e conformadamente escravos Dessas ideias bonitas que vimos formarem

©2020 por Braqui. Orgulhosamente criado com Wix.com